Banner

Banner

terça-feira, 25 de julho de 2017

Polícia Federal deflagra operação contra pornografia infantil em SC


Polícia Federal deflagra operação contra pornografia infantil em SC Polícia Federal/Divulgação
Computador foi apreendido pela PF na cidade de Palhoça, na Grande Florianópolis


Foto: Polícia Federal / Divulgação


A Polícia Federal deflagrou na madrugada desta terça-feira, 25, a 2ª fase da Operação Glasnost, que combate a exploração sexual de crianças e o compartilhamento de pornografia infantil na internet. Cerca de 350 policiais participam da ação em Santa Catarina e outras 13 unidades da federação. No Estado, são cumpridos seis mandados de busca e apreensão em Joinville (dois), Capivari de Baixo, Blumenau, Biguaçu e Palhoça. 
A operação investiga um site russo que era utilizado como "ponto de encontro" de pedófilos de todo o mundo. Segundo a polícia, foram identificados produtores de pornografia de menores, abusadores sexuais e usuários que armazenavam e compartilhavam fotos e vídeos de crianças, adolescentes e bebês com poucos meses de vidas. Segundo a PF, algumas das imagens eram de menores sendo abusados sexualmente por adultos.
Em SC, documentos e computadores apreendidos nas residências investigadas devem ser encaminhados para Curitiba (PR) - local em que a operação é coordenada. Segundo o delegado federal Luiz Carlos Korff Rosa Filho, em Palhoça, na Grande Florianópolis, e em Joinville, no Norte, policiais foram residências e apreenderam computadores e peças de outros dispositivos eletrônicos.

Já em Blumenau, no Vale do Itajaí, a polícia cumpriu um mandado de busca e apreensão na residência de um investigado, mas não foram encontradas imagens com o suspeito. De acordo com o delegado Thiago Giavarotti, apenas um computador foi apreendido:
— A pessoa não estava com imagens ou vídeos em seu computador na hora da diligência. O computador foi apreendido para realização de perícia. 
Em Biguaçu, Capivari de Baixo e Joinville os agentes também cumpriram mandados nesta manhã. Não há informações de pessoas detidas em flagrante ou materiais apreendidos nessas regiões. 
No país, a operação também acontece no Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Ceará, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Piauí, Pará e Sergipe. No total, a PF cumpre 72 mandados de busca e apreensão, três de prisão preventiva e dois de conduções coercitiva. Além disso, durante a ação outras 17 pessoas foram presas em flagrante por portar conteúdos pornográficos. 
De acordo com Flávio Augusto Palma Setti, delegado da PF do Paraná que comanda a operação, além de brasileiros, as investigações apontaram suspeitos em outras partes do mundo. 
— Não vamos dar o nome de ninguém. Não é uma intenção da polícia divulgar, mas a gente pode dizer que foi uma das maiores operações contra abuso infantil no Brasil. Considerando a primeira e segunda fase, temos mais de uma dezena de mandados e  mais de 60 presos — disse. 
Primeira fase aconteceu em 2013
A ação desta manhã é uma sequência da operação Glasnost. Iniciada em 2013, a ação cumpriu 80 mandados de busca e prisão e realizou 30 prisões em flagrante por posse de pornografia infantil. Também foram identificados e presos diversos abusadores sexuais e resgatadas vítimas com idades entre cinco e nove anos. 
Nome da operação
Batizada de Glasnost, a ação da PF  faz referência ao termo da Rússia que significa transparência. Segundo a central de inteligência da polícia, a palavra foi escolhida porque a maior parte dos investigados utilizava servidores russos para a divulgação de imagens de menores na internet e para realizar contatos com outros pedófilos ao redor do mundo.  




Diário Catarinense