quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Cientistas recebem US$ 15 milhões para ressuscitar mamute extinto há 4 mil anos

FOTO: Reprodução site Peperi

 


Trazer criaturas extintas de volta à vida é quase que a força vital na ficção científica. Em sua forma mais perigosa, pense em Jurassic Park e seu estábulo de dinossauros.

Os avanços na genética, no entanto, estão tornando a ressurreição de animais perdidos uma possibilidade real.

Os cientistas já clonaram animais em extinção, por exemplo, e podem sequenciar DNA extraído de ossos e carcaças de animais daqueles que deixaram de existir há muito tempo.

Agora, os geneticistas — nome daqueles que se dedicam à genética — liderados pela George Church da Harvard Medical School, pretendem trazer o mamute peludo, que desapareceu há 4.000 anos, de volta à vida.

Os esforços receberam um grande impulso nesta segunda-feira (13) com o anúncio de um investimento de US$ 15 milhões. Com o aporte, os cientistas imaginam um futuro onde o gigante da era do gelo com presas será restaurado ao seu habitat.

Híbrido de elefante-mamute

Os defensores dizem que trazer de volta o mamute em uma forma alterada pode ajudar a restaurar o frágil ecossistema da tundra ártica, combater a crise climática e preservar o ameaçado elefante asiático, a quem o mamute peludo – ou lanoso, como também é chamado – está mais intimamente relacionado. No entanto, é um plano ousado repleto de questões éticas.

O objetivo não é clonar um mamute — o DNA que os cientistas conseguiram extrair do mamute lanoso permanece congelado no permafrost está muito fragmentado e degradado —, mas criar, por meio da engenharia genética, um híbrido de elefante-mamute vivo e ambulante que seria visualmente indistinguível de seu antecessor extinto.

“Nosso objetivo é ter nossos primeiros bezerros nos próximos quatro a seis anos”, disse o empresário de tecnologia Ben Lamm, que com Church fundou a Colossal, uma empresa de biociência e genética para apoiar o projeto.

‘Agora podemos realmente fazer isso’

O novo investimento e foco trazidos por Lamm e seus investidores representam um grande passo à frente, disse Church, o professor Robert Winthrop de Genética da Harvard Medical School.

“Até 2021, foi uma espécie de projeto secundário, francamente. Mas agora podemos realmente fazer isso”, disse Church. “Isso [o dinheiro investido] vai mudar tudo.”

Church tem estado na vanguarda da genômica, incluindo o uso de CRISPR, ferramenta revolucionária de edição de genes descrita como uma reescrita do código da vida para alterar as características das espécies vivas.

Um de seus trabalhos famosos é o de criar porcos cujos órgãos são compatíveis com o corpo humano. O projeto poderá, um dia, fazer que um rim para um paciente que precisa de um transplante venha de um porco.

“Tivemos que fazer muitas mudanças [genéticas]. Até agora foram 42 para torná-los compatíveis com os humanos. E, nesse caso, temos porcos muito saudáveis que estão se reproduzindo e doando órgãos para testes pré-clínicos no Hospital Geral de Massachusetts”, disse ele.

“Com o elefante, é um objetivo diferente, mas é um número semelhante de mudanças.”

Segundo Church, a equipe de pesquisa analisou os genomas de 23 espécies vivas de elefantes e mamutes extintos. Os cientistas acreditam que precisarão programar simultaneamente “mais de 50 mudanças” no código genético do elefante asiático para dar a ele as características necessárias para sobreviver e prosperar no Ártico.

Essas características incluem uma camada de 10 centímetros de gordura isolante, cinco tipos diferentes de cabelo desgrenhado, incluindo alguns que chegam a um metro de comprimento, e orelhas menores que ajudarão o híbrido a tolerar o frio, disse Church.

A equipe também planeja tentar realizar modificações para que o animal não tenha presas, de modo que não seja alvo de caçadores de marfim.

Assim que uma célula com essas e outras características for programada com sucesso, Church planeja usar um útero artificial para passar do embrião ao bebê — algo que leva 22 meses para os elefantes vivos. No entanto, essa tecnologia está longe de ser estabelecida, e Church disse que não descartou o uso de elefantes vivos como substitutos.

“A edição, eu acho, vai correr bem. Temos muita experiência com isso, eu acho, fazer os úteros artificiais não é garantido. É uma das poucas coisas que não é pura engenharia, talvez haja um pouquinho de ciência lá também, o que aumenta sempre a incerteza e o tempo de entrega”, disse ele.



Claudério Augusto via site Peperi, com informações CNN Brasil