sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Mais detalhes sobre o caso que deixou bombeiro morto e o suicídio da companheira em SC

Após matar a tiros o bombeiro militar Smaylin Willian Schappo, de 33 anos, a namorada, 29 anos, sacou a arma que estava escondida no moletom e cometeu suicídio, segundo a PM (Polícia Militar). O crime ocorreu no bairro Ingleses, em Florianópolis, nesta quinta-feira (16).

Em nota publicada nesta sexta, a PM relata que outra mulher ligou para a central de emergência buscando ajuda, porque a amiga estava em estado de choque e um homem havia sido morto.

Ao chegar ao local, havia apenas o corpo de Smaylin e a mulher ameaçava cometer suicídio. Os policiais, então, acionaram uma equipe especializada para conversar com ela e acalmá-la, mas não conseguiram impedi-la.

“A mulher estava completamente fora de si, não deixando os policiais se aproximarem, impedindo qualquer tipo de ação para que pudesse contê-la”, diz a nota.

Amigos prestam homenagem

“Era como um filho mais velho ou irmão mais novo. Fazia parte da minha família. Tristeza imensurável.” Esse é o relato de Luis Gomes, amigo de Smaylin.

Dezenas de comentários como esse foram feitos na publicação do Corpo de Bombeiros Militar, na qual a corporação lamentou a morte de Smaylin, que atuava como 2º sargento. Ele entrou na corporação em 2006 e estava lotado na Central de Operações Bombeiro Militar, na Capital.

“Neste difícil momento, registramos aos familiares e amigos do sargento Schappo, os sentimentos de profunda tristeza e solidariedade de todos os Bombeiros Militares da corporação. Nossas respeitosas continências”, diz a nota.

FOTO: Reprodução Facebook - Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina


A suspeita da polícia é que a namorada, de 29 anos, teria o matado em casa e cometeu suicídio em seguida, no quintal.

“Um ser humano fora do contexto, amigo, parceiro, vaidoso ao extremo, uma perda lamentável para nós da Corporação e para a sociedade”, diz o amigo Rodrigo Rosino.


Claudério Augusto via site ND Mais