terça-feira, 29 de novembro de 2022

Protestos na China: Regime comunista enfrenta crise inédita

Denúncia silenciosa: cidadãos chineses seguram folhas de papel em branco. Foto: MICHAEL ZHANG/AFP - 24.11.2022


Já há alguns dias, o jornalismo internacional vem noticiando um crescendo de atos públicos, com a participação de milhares de pessoas, questionando o regime de "socialismo com características chinesas" de Xi Jinping.

Sobre essa inquestionável onda de levantes e manifestações, não há como afirmar com certeza a que se destina, além de ser prontamente reprimida pelas forças policiais.

Indiscutível, é que algo inédito está em gestação na China - e que o aparato repressor desse estado totalitário está se preparando para efetuar, a cada dia, mais prisões e, caso necessário, fazer uso de mais violência contra os insurgentes.

Imagens e vídeos mostraram estudantes de universidades de grandes centros chineses (como Nanquim e Pequim) segurando folhas de papel em branco. É um protesto silencioso, uma tática usada, em parte, para fugir da censura ou prisão. Essas folhas em branco não mostram nada, mas dizem muito. O recado está dado.

Desse caldo de insatisfação, certamente faz parte o esgotamento da política de "covid zero" praticada pela China, único país relevante no mundo que ainda adota o fechamento radical de bairros e províncias inteiras.

A população está exausta, irritada, com essa insistência do governo em promover lockdowns. Na prática, o cidadão chinês percebe que esse sacrifício jogou a sociedade em uma evidente crise econômica.

Cidades que respondem por 21% do PIB chinês estão isoladas, estimou um relatório da consultoria Nomura divulgado há uma semana. A expectativa é que o número suba para 30%, em breve. É grave.

A onda de protestos ganhou força depois que um incêndio matou 10 moradores, em Xinjiang. Muitos acreditam que as restrições impostas pela política de covid-zero dificultaram o esforço de resgate.

Xi Jinping enfrenta um paradoxo: embora tenha saído vencedor do recente Congresso do Partido Comunista Chinês, é sem precedentes a oposição política que tem de enfrentar. 

De forma igualmente inédita, pessoas assumiram riscos imensos e foram às ruas e exibiram faixas pedindo a renúncia do presidente e ditador.  São movimentos pró-democracia espontâneos, imprevisíveis e sem volta.

Desde que Mao Tsé-tung liderou a revolução e chegou ao poder em 1949 esse é um dos momentos mais delicados. Será será o início da derrocada do regime comunista na China? O futuro é uma folha de papel em branco.



Claudério Augusto via site R7