quinta-feira, 12 de janeiro de 2023

Brutalmente assassinado com inúmeras perfurações: Homem que matou e decepou dedo de dentista é condenado a 30 anos de prisão em Fraiburgo

Foto: Reprodução via site Oeste Mais


O autor do homicídio do cirurgião dentista Rafael Caranhato, de 25 anos, foi condenado a 30 anos de reclusão, em regime fechado, pelo crime ocorrido em setembro do ano passado, em Fraiburgo, no Meio-Oeste.

O réu matou a vítima com golpes de canivete, decepou o dedo dele para, na manhã seguinte, sacar R$ 2 mil da conta, além de ter roubado diversos bens e valores da casa da vítima.

Como tudo aconteceu

Na madrugada do dia 16, Rafael já estava deitado quando foi surpreendido com um golpe de canivete no pescoço. Depois de entrarem em luta corporal, o acusado atingiu várias vezes o pescoço, rosto, tórax, abdômen, braço e mão da vítima, o que resultou na morte do rapaz.

Ele usou o carro da vítima para fugir e levou, entre outras coisas, videogame, jogos, televisão, caixa de som, celular, assistente de voz, roupas, documentos, R$ 3,3 mil em espécie e instrumentos odontológicos avaliados em mais de R$ 31 mil.

O réu foi preso em flagrante na tarde daquele dia, em Ibirama, no Alto Vale do Itajaí, portando droga para consumo próprio.

Reincidente, o réu confessou ter praticado o crime, mas alegou legítima defesa - tese afastada porque a vítima tinha ferimentos compatíveis com a tentativa de se defender das agressões, e o canivete foi comprado pelo réu antes de encontrar a vítima no apartamento.

 

O motivo do crime

Em relato aos policiais, conforme consta nos autos, o acusado disse ter praticado o crime a fim de angariar dinheiro para pagamento de uma dívida de R$ 20 mil. Em juízo, atestou a existência do débito, mas negou que o latrocínio tenha ocorrido por este motivo.

“Nesse contexto, tenho que as provas produzidas confirmam os fatos narrados na denúncia, no sentido de que o réu ingressou no apartamento da vítima com evidente ânimo de subtrair seus bens e, para efetivar seu intento criminoso, ceifou a vida dela”, pontua a magistrada na sentença. 





Claudério Augusto via site Oeste Mais