terça-feira, 7 de maio de 2024

Enchentes no RS: águas baixam no Vale do Taquari e revelam cenário de devastação; 'a gente não vai morrer aqui', diz morador

Foto montagem via fotos: RBS TV / Reprodução via site g1

Quem reside em cidades do Vale do Taquari e passou pelas estradas recém-liberadas já não reconhece o que sobrou. A região foi uma das mais atingidas pelos temporais que assolam o Rio Grande do Sul há mais de uma semana. O Rio Taquari chegou a ultrapassar 30 metros – um recorde histórico.

As chuvas que caem no estado desde 29 de abril deixaram 90 mortos e mais de 100 desaparecidos no RS. Há 203,8 mil pessoas fora de casa em todo o estado. Desse total, 48.147 mil estão em abrigos e 155.741 estão desalojados (pessoas que estão nas casas de familiares ou amigos). O estado tem 388 dos seus 497 municípios com algum relato de problema relacionado ao temporal, com 1,367 milhão de pessoas afetadas.

Uma dessas pessoas foi o empresário Ismael Fonseca, que foi resgatado após dois dias ilhado em Cruzeiro da Sul. A cidade foi devastada pela força da água. Da casa dele, sobraram só as paredes.

"Sem condição nenhuma de voltar a morar aqui. Nossa casa está destruída. Nosso filho tem 7 anos, a gente criou ele aqui. Tudo que tem aqui, a gente construiu trabalhando muito. A gente tem isso aqui, mas a gente não vai morrer aqui. Nós não vamos voltar para cá", diz.

No bairro Passo de Estrela, onde ele vivia com a família, residiam 3 mil pessoas. Eram pelo menos 500 casas. Não sobrou nenhuma em boas condições.

"Eu tenho minha família, mas eu não tenho mais casa para morar. Eu não tenho como recomeçar, eu não tenho", lamenta a fisioterapeuta Deisi Maria.

Prejuízos no RS

🚰 ÁGUA

De acordo com a Defesa Civil, mais de 750 mil imóveis estão sem abastecimento de água no Rio Grande do Sul. O número equivale a 26% do total de clientes da Corsan, a empresa que presta o serviço em parte do estado.

🔦 LUZ

São 270 mil pontos atendidos pela RGE Sul sem energia elétrica (8,8% do total de clientes). A CEEE Equatorial não divulgou os dados ao governo do estado. Nas redes sociais, a empresa afirma que há 180 mil pontos sem luz, nas cidades de Porto Alegre, Eldorado do Sul, Guaíba, Alvorada e Viamão.

📶 TELEFONIA

O sinal de telefone e internet está interrompido em diversas cidades do estado – 38 municípios atendidos pela Tim, 28 pela Vivo e 19 pela Claro. As operadoras liberaram pacotes de internet grátis para clientes no Rio Grande do Sul para permitir que a comunicação seja mantida em meio aos temporais.

🛑 ESTRADAS

As chuvas provocaram danos e alterações no tráfego nas rodoviais estaduais gaúchas. São 99 trechos em 42 rodovias com bloqueios totais e parciais, entre estradas e pontes, conforme atualização da Defesa Civil no fim da tarde de segunda-feira.

Nas rodovias federais, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informa 58 bloqueios, sendo 19 parciais. Veja as estradas bloqueadas em mapa das polícias rodoviárias.

✈️ AEROPORTOS

Os aeroportos de Canela, Capão da Canoa, Carazinho, Caxias do Sul, Erechim, Passo Fundo, Santo Ângelo e Torres operam normalmente no estado. O aeroporto da capital, Salgado Filho, está fechado pelo menos até 30 de maio.

📖 ESCOLAS

O governo do Estado definiu que, a partir desta terça-feira (7), escolas estaduais das seguintes regiões poderão retomar suas atividades: Bagé, Bento Gonçalves, Carazinho, Caxias, Cruz Alta, Erechim, Ijuí, Osorio, Palmeiras das Missões, Passo Fundo, Pelotas, Rio Grande, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Santana do Livramento, Santo Ângelo, São Borja, São Luiz Gonzaga, Soledade, Três Passos, Uruguaiana e Vacaria.

Por outro lado, não há previsão de retomada nas escolas estaduais de Canoas, Cachoeira do Sul, Estrela, Gravataí, Guaíba, Porto Alegre e São Leopoldo.

Enchentes no RS

O sindicato das escolas privadas do RS recomendou a suspensão das atividades até sábado (11).

As forças continuam voltadas para os salvamentos em áreas atingidas pelas enchentes. A Brigada Militar reforçou o policiamento em locais de resgaste, a fim de minimizar a ação de saqueadores. É momento de "administrar o caos", destacou o governador Eduardo Leite (PSDB).

🚔 SEGURANÇA

A Brigada Militar afirma que não está realizando fiscalizações em embarcações, não está cobrando notas fiscais e não está impedindo a circulação de alimentos.




Claudério Augusto com informações via site g1
Link da notícia no site g1: CLIQUE