sábado, 3 de dezembro de 2022

Neymar ainda é dúvida do Brasil nas oitavas de final da Copa do Mundo

 

Neymar ainda é dúvida do Brasil nas oitavas de final da Copa do Mundo

Brasil ainda tem Neymar como dúvida para as oitavas de final da Copa do Mundo 

Horóscopo de sábado dia 03/12/2022

 

ÁRIES

O trabalho profissional mostra caminhos que você não escolheria. Será melhor aceitar os caminhos que se abrem, não por conformismo, mas por talvez serem melhores.

TOURO

Seus desejos precisam se conformar aos princípios éticos e valores que você cultiva. Isso terá que acontecer mesmo que à sua revelia, portanto colabore para acontecer por bem.


GÊMEOS

Envolvimento intenso com as pessoas, mas o resultado desse encontro não é o que você, a princípio, imaginou. Há coisas que não percebemos mas que precisam ter lugar.


CÂNCER

É preciso se relacionar diferente no ambiente de trabalho. Procure compor as parcerias e cooperações de maneira mais bem ajustada, aceitando o que o outro traz.


LEÃO

Os sentimentos românticos e desejos amorosos podem não encontrar lugar no mundo para serem devidamente vividos. Algum rearranjo será necessário nessa história.

VIRGEM

Os sentimentos amorosos agitam o clima em sua casa e em sua própria pessoa. Certos ajustes, quanto ao tratamento afetivo às pessoas, podem conduzir à boa paz.


LIBRA

Suas falas e colocações podem perturbar o ambiente familiar e o clima das relações mais íntimas. Contudo, há coisas que talvez precisem mesmo ser ditas neste momento.

ESCORPIÃO

Situações na vida financeira e material precisam ser mudadas, e o serão à força, se não aceitar que as transformações ocorram por bem. Não tente manter o que deve mudar.


SAGITÁRIO

Momento de forte revolução interior, com os sentimentos tempestuosos e em renovação. É preciso se desapegar dos desejos e motivações que por velhice estão sendo extintos.


CAPRICÓRNIO

Alguma coisa pode parecer estar ruindo em definitivo, dentre suas motivações, desejos e interesses. Este é um momento de libertação, embora soe como perda e seja dolorido.


AQUÁRIO

Desejos inconscientes podem adentrar o campo das relações afetivas e sociais, e você se surpreender com seus sentimentos. Você se apercebe melhor do que de fato sente.


PEIXES

A participação em grupos e atividades leva a mudanças no trabalho, e talvez seja mais sábio adaptar-se a elas do que tentar manter um controle rígido sobre o trabalho.




Bem Paraná

sexta-feira, 2 de dezembro de 2022

Autor de pichação contra Alckmin e PT é advogado de Chapecó

 

Foto: Divulgação/Metropoles - Reprodução via site ClicRDC


O autor de pichações com ataques ao Partido dos Trabalhadores (PT) e ao vice-presidente da República eleito, Geraldo Alckmin (PSB), foi identificado e se tornou alvo de investigação da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). O pichador, advogado de Chapecó, Oeste de Santa Catarina, de 48 anos, foi levado por policiais militares até a 5ª Delegacia de Polícia (Área Central). As informações são do portal Metrópoles.

Após as primeiras pichações estamparem a fachada dos ministérios da Saúde e da Agricultura, integrantes do 6º Batalhão da Polícia Militar (BPM) começaram a patrulhar a região a fim de tentar localizar o vândalo. Poucos dias depois, policiais legislativos do Senado Federal chegaram a correr atrás do suspeito, mas não o alcançaram. No entanto, o pichador deixou cair uma mochila.

Com a pista, as autoridades descobriram a identidade do homem que estava manchando os monumentos com ataques ao PT e alguns políticos ligados à legenda. Mesmo assim, ele não parou e ainda sujou as paredes do Museu Nacional da República, os Anexos do Senado e da Câmara dos Deputados. O Ministério das Relações Exteriores e a Catedral de Brasília também não escaparam.

Em um vídeo compartilhado pelos grupos de o WhatsApp a qual acontecia uma coletiva de imprensa com  vice-presidente eleito Geraldo Alckmin e demais políticos, o advogado se pronunciou dizendo:

“Esta casa talvez não esteja sabendo, mas eu sou advogado de Chapecó e está circulando no meu corpo e no corpo do vice-presidente eleito Geraldo Alckmin uma droga com LSD, ela controla o racional da pessoa. Desembarquei no aeroporto dia 4 de maio e me deram a droga no voo para estar aqui agora, mas eu me recuperei. A droga não vicia, ela apenas controla o subconsciente e está no corpo do Geraldo Alckimin e nesse que vos fala, o advogado que o PT atacou por vários anos. É uma denúncia que faço agora como advogado.

Alckmin respondeu: “Sugiro que o senhor se submeta ao um exame médico para analisar seu sangue!”


Claudério Augusto via site ClicRDC, com informações Metropoles

Abigeato: Ladrões abatem novilha para furtar carne em Campos Novos

A Polícia Militar foi acionada na manhã da quinta-feira (1º) para atender uma ocorrência de abigeato (furto e abate clandestino de animais) no Distrito de Encruzilhada, interior de Campos Novos.

A guarnição se deslocou até a Linha Santo Antônio das Palmeiras, onde uma mulher relatou que ladrões abateram uma novilha durante a noite em sua propriedade. No local ficou apenas a carcaça do animal.

Nenhum suspeito foi localizado, sendo confeccionado o boletim para investigação do crime



Claudério Augusto via site Caco da Rosa

Homem que raptou crianças foi preso por estupro de vulnerável, sequestro e tentativa de homicídio em Jaraguá do Sul

 

Foto: Fábio Junkes/OCP News 


O homem suspeito de ter sequestrado duas crianças, no início da tarde desta quinta-feira (1º), em Jaraguá do Sul, foi detido pelos crimes de estupro de vulnerável, sequestro e tentativa de homicídio, segundo registro de ocorrência lavrado pela Polícia Militar. Ele foi localizado na rua Herbert Baumann, no bairro Jaraguá 84.

Por volta das 12h20 desta quinta-feira (1°) a Polícia Militar foi informada que um menino e uma menina, ambos 10 anos de idade, teriam sido arrastados por um homem para dentro de um bananal, no bairro Jaraguá 84 em Jaraguá do Sul. Uma testemunha viu quando um homem arrastou, à força, as crianças que voltavam da aula, para dentro de um bananal.

Imediatamente, a testemunha acionou a Polícia Militar e avisou o proprietário do bananal que estava nas proximidades. O dono foi verificar a denúncia, quando encontrou o menino, que já havia sido amarrado e tinha conseguido fugir, porém, a menina ainda estava com o agressor.

Quando o dono flagrou o suspeito com a menina na margem de um rio, o agressor já estava agredindo a vítima. Quando foi flagrado, tentou afogar a criança, mas não conseguiu. Então, tentou atravessar o rio com a criança e como também não conseguiu, fugiu sozinho atravessando o rio.

No local, os Policiais Militares solicitaram o apoio do Corpo de Bombeiros Voluntários para atender as vítimas e, com as características do autor repassadas pela testemunha e vítimas, a guarnição conseguiu identificar o agressor.

Os policiais iniciaram as buscas, com apoio de cães, e por volta das 15h encontraram o suspeito, um homem de 39 anos. Ele reagiu ao receber voz de prisão e os policiais fizeram uso da força para detê-lo.

Ele foi apresentado para reconhecimento, as vítimas e testemunha o reconheceram e ele foi conduzido para a delegacia.

Ele já é conhecido do meio policial e tem diversas passagens por crimes como roubo, desacato, envolvimento com drogas, entre outros.


Claudério Augusto via site Ocp News

Cão identifica presença de corpo e bombeiros escavam área de deslizamento na BR-376

Bombeiros e cães de busca fazem uma varredura nesta quinta-feira (1º) no local em que os veículos estão soterrados após o deslizamento na BR-376, em Guaratuba. É a primeira vez que os profissionais conseguem chegar à chamada área sensível do local desde segunda-feira (28).

Em um vídeo divulgado pelo Batalhão de Operações Aéreas – Polícia Militar é possível ver o trabalho dos bombeiros na área. Um drone com uma câmera térmica também é utilizado no local a fim de localizar sobreviventes.

De acordo com o repórter Nader Khalil, da RICtv, um cão de busca teria detectado a presença de um corpo. Por isso, bombeiros estão escavando o local a fim de encontrar a vítima.

Até a manhã desta quinta-feira (1º), duas vítimas fatais foram localizadas – uma é o caminhoneiro João Maria Pires, de 60 anos. A outra vítima ainda não foi identificada.

Os trabalhos de busca foram prejudicados pela chuva volumosa e persistente que atinge o local e que traz o risco de novos deslizamentos. De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar do Paraná, a estimativa de vítimas soterradas foi reduzida para menos de 30.



Claudério Augusto via site ND Mais

Crueldade: Adolescentes matam égua com explosão de fogos de artifício nas partes íntimas em SC

Foto: Polícia Civil de Santa Catrina - Reprodução via site SCC10


Uma égua morreu após ter fogos de artifício inseridos em suas partes íntimas, em Mafra, no Norte catarinense.

A Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso de Mafra identificou os adolescentes que teriam feito os maus-tratos. Segundo o delegado Nelson Vidal, os jovens responderão por ato infracional análogo a maus-tratos contra animais.

“Já temos o laudo de um veterinário, e infelizmente foram explosivos, bombas de fogos de artifício mais potentes”, explica o delegado, que destaca que essa foi uma das causas que causou o óbito da égua, que morreu horas depois. “Chocou por conta da crueldade dessa desse ato”, afirma Vidal.

Pelo crime ter sido praticado contra um animal, que não é doméstico, a lei prevê punição menos severa. A Polícia Civil apura o caso.



Claudério Augusto via site SCC10

Motociclista fica levemente ferido em colisão com carro em Seara

Um motociclista ficou levemente ferido em uma colisão registrada pelos Bombeiros Militares de Seara por volta das 20h desta quinta-feira, dia 1º, no bairro Niterói.

O condutor da moto de 24 anos apresentava escoriações em diversas partes do corpo e um corte na região do pé esquerdo.

Após uma avalição, ele foi conduzido para atendimento no Hospital São Roque. A Polícia Militar também foi acionada para auxiliar na ocorrência e apontar as causas da colisão.


Claudério Augusto via site Atual FM

Seguradora entra na Justiça para não pagar seguro de vida de R$ 66 milhões a ex-mulher de investidor do mercado financeiro assassinado

Foto: Reprodução via site g1


O assassinato de um investidor do mercado financeiro de 31 anos em julho de 2021, em Jandira, na Grande São Paulo, virou uma luta jurídica entre a seguradora e a ex-esposa da vítima, mãe de seu filho, para o pagamento da indenização de R$ 66 milhões.

A Prudential do Brasil Seguros de Vida entrou na Justiça paulista em março deste ano, quando ainda havia dúvida se o caso tratava-se de suicídio, o que sustaria o pagamento das apólices. (veja mais abaixo a nota da empresa na íntegra).

A Polícia Civil encerrou o inquérito em 8 de novembro e declarou o caso como homicídio sem autoria conhecida do crime. O Ministério Público irá analisar a investigação e pode pedir apurações complementares. A seguradora se adiantou e também se manifestou, em 21 de novembro, cobrando que pessoas sejam ouvidas, documentos de conhecidos do empresário sejam levantados e exames, realizados.

À época, o investidor foi encontrado baleado na cabeça em seu carro blindado, por volta das 12h30, na Alameda Chile, em Jandira. Agora, cabe ao Ministério Público definir se reabre a investigação ou não.

Somadas, as seis apólices de seguro de vida individual contratadas por José Matheus Silva Gomes totalizam R$ 66.526.675,18.

A ex-esposa chegou a fazer uma reclamação no Procon-SP sobre a falta de pagamentos. Ao g1, o órgão afirmou que o procedimento foi encerrado e que as partes não chegaram a um acordo.

“O consumidor foi orientado a procurar o Judiciário”, afirmou o Procon.

No processo que contesta a indenização, a defesa da Prudential citou que a ação no Procon foi “pressão para receber a indenização securitária que, como visto, é quase um prêmio de loteria”.

As apólices foram contratadas pelo empresário entre setembro de 2019 e janeiro de 2021, segundo apurado pelo g1. Na Justiça, a seguradora citou todas as empresas em que o nome do empresário aparecia como sócio e afirmou, em uma “simples análise” própria, que de 2018 para 2019 o faturamento de uma das empresas teve um aumento de aproximadamente 595%.

“Circunstância essa que gera dúvida razoável quanto à origem desse crescimento, sobretudo considerando todos os demais elementos revelados”, diz a seguradora.

Os advogados da ex-mulher contestaram os pontos levantados pela Prudential como “exploração maldosa” da vítima sobre a suspeita na atividade profissional supostamente ilícita como “falta de base total. Mera pescaria”.

O caso corre pela 2ª Vara Cível de Carapicuíba. O g1 localizou um dos advogados da ex-esposa da vítima. Raphael Blaselbauer afirmou que não comentaria detalhes, mas que a “seguradora se utiliza de estratagema sensacionalista para tumultuar o processo de regulação de sinistro com nítido intuito de negar o pagamento do seguro de vida”.

“A beneficiária e os familiares do segurado sempre se puseram integralmente à disposição das autoridades para auxiliar as investigações. O segurado passou por rigorosa análise da seguradora Prudential, tendo sido o capital segurado de R$ 70 milhões aceito pela seguradora, que recebeu o pagamento de todos os prêmios até a data de sua morte”, disse o advogado.

O empresário também tinha seguro de vida com outras duas seguradoras. Os valores são de cerca de R$ 10 milhões em cada uma delas. As empresas não entraram na Justiça, mas também fazem a análise do caso com o encerramento das investigações pela polícia.

Exumação
Uma outra ação corre pela 6ª Vara Cível de Barueri e discute o pedido de alvará para transferência dos restos mortais do empresário para outro local.

José Matheus foi sepultado no Cemitério Municipal de Carapicuíba. Contudo, os pais tentam levar o corpo para outro cemitério em Alphaville, em Barueri, na Grande São Paulo, para que o túmulo fique próximo da família.

A Prudential também se tornou parte da ação com pedido de produção de prova pericial com “medida indispensável para a correta e completa regulação do sinistro”, disse.

Em outro trecho, a empresa pediu que fosse avisada da exumação para que acompanhe o procedimento e ocorra a coleta de material genético “para verificar se o corpo que foi enterrado no Cemitério Municipal de Carapicuíba corresponde, de fato, ao corpo do Segurado”.

Os pediram foram negados pela Justiça e um recurso ainda será julgado. O corpo permanece onde foi enterrado.

De suicídio a homicídio
De acordo com o relatório final da delegacia de Jandira, as primeiras informações sobre o caso apontavam para um suicídio. A vítima foi encontrada baleada na cabeça, em 2 de julho de 2021, por volta das 12h30, na Alameda Chile.

Policiais militares encontraram José Matheus Silva Gomes deitado no banco traseiro do carro blindado. Ele chegou a ser encaminhado ao Hospital Regional de Osasco, onde foi confirmada a morte. Os órgãos foram doados.

Uma pistola, dinheiro, remédios e cápsulas foram apreendidos e periciados. Uma irmã da vítima informou à polícia que, depois da separação, José Matheus foi morar sozinho em Jandira. O ex-casal mantinha contato e tem um filho que atualmente tem 2 anos.

A irmã esteve com a vítima na noite que antecedeu o crime e não “percebeu problema algum”.

A ex-mulher também foi ouvida pela investigação. Os dois viveram juntos por cerca de quatro anos e tiveram o bebê. O último contato com o empresário foi por mensagens, por volta das 10h do dia do crime.

José era um dos donos de uma empresa de investimentos e tinha outros dois sócios. A vítima era parte majoritária da sociedade, com 60%, sendo que cada um dos demais sócios tem 20%.

A vítima tinha a síndrome do túnel de carpo, o que a deixava com dificuldade para fechar as mãos e carregar objetos, e se recuperava de uma cirurgia de hérnia feita dias antes da morte, conforme o registro do amigo e sócio à polícia.

A Polícia Civil chegou a um guarda civil municipal de Embu das Artes, na Grande São Paulo, como sendo um segurança pessoal da vítima. O homem afirmou que havia três anos que era GCM e fazia a segurança de José de forma esporádica, depois de ser indicado por um conhecido em comum, um militar da Aeronáutica. O segurança soube do crime por telefone, por meio de conhecidos.

Localização
O registro dos policiais militares afirma que eles faziam ronda na área quando viram o carro de José no terreno baldio com as portas fechadas. Ele ainda estava vivo, e o resgate foi chamado. Os PMs usaram um cartão na carteira de José para avisar os conhecidos sobre a situação.

Entre os materiais dentro do carro foi encontrada uma arma, que foi comprada por um comerciante em 2002, vendida a um amigo em 2019 por R$ 3 mil e revendida para uma terceira pessoa. A cadeia de vendas não foi esclarecida, e a venda ilegal será analisada em outro inquérito.

Os investigadores também identificaram um ticket de mercado que poderia ser da vítima, mas as imagens já tinham sido apagadas.

Uma funcionária passou características de dois homens suspeitos que estiveram no estabelecimento. A polícia identificou a dupla. Um dos homens contou que esteve no local para comprar salgados e seguiu com o amigo para um terreno baldio para usarem drogas. Por fotos, ele confirmou que era a mesma área do assassinato do investidor. Citou que viu outros dois rapazes no local, mas não reconheceu como sendo a vítima.

A investigação também ouviu a diarista da vítima, uma das últimas pessoas a ter contato com o empresário. A mulher detalhou que esteve com José Matheus até por volta das 11h30 daquela sexta-feira, quando ele afirmou que “iria ali e já voltava”. Ela chegou a preparar uma sopa e esperar o retorno do morador. Soube da morte apenas na segunda-feira seguinte.

O sigilo telefônico da linha da vítima foi quebrado. O histórico das chamadas efetuadas e recebidas no celular foi analisado, mas não havia pistas do crime.

Não foi possível levantar pela polícia imagens das câmeras de segurança no trajeto entre a casa da vítima e o local do crime.

O Instituto Médico Legal constatou que a morte foi por traumatismo causado por projétil, não havia chamuscamento, mas havia sinal de que o disparo ocorreu com a arma encostada na cabeça. O laudo do Instituto de Criminalística indicou que não havia pólvora nas mãos.

O que diz a Prudential
"A Prudential do Brasil esclarece que, assim que a beneficiária da apólice informou o falecimento do segurado, foi devidamente iniciada a regulação do sinistro. Porém, foram identificadas pendências de documentos não entregues pela beneficiária e relevantes inconsistências. Por essa razão, a empresa ajuizou ação judicial visando, liminarmente, a suspensão da regulação e do pagamento de sinistro para completa averiguação das inconsistências identificadas. Vale ressaltar que a Prudential do Brasil não foi a única seguradora que detinha apólices de seguro de vida contratadas pelo mesmo segurado a adotar essa conduta.

Há decisão vigente da 1ª Vara Cível do Foro de Carapicuíba/SP reafirmando a necessidade de suspensão da regulação desse sinistro até ser proferida sentença dentro do processo, declarando o direito da seguradora à regulação do sinistro. Referida decisão foi recentemente confirmada por decisão colegiada da 32ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

O pedido de alvará judicial que tramita perante a 6ª Vara Cível da Comarca de Barueri/SP fora apresentado pela própria família do segurado, para que o corpo fosse exumado e trasladado para outro cemitério. A Prudential do Brasil ingressou nesse feito e requereu a realização de perícia para identificação dos restos mortais. Em sentença, foram autorizadas a realização da exumação e a prova pericial. Além disso, o Inquérito Policial segue vigente, havendo diligências pedidas anteriormente pelo Ministério Público ainda pendentes de realização. A Prudential peticionou ressaltando tal pendência, o que está sendo analisado pela Promotoria.

A Prudential do Brasil afirma ainda que, caso as inconsistências identificadas não se materializem concretamente, honrará o compromisso do pagamento do benefício, como tem feito ao longo dos quase 25 anos de atuação no Brasil, já tendo pago mais de R$ 3,4 bilhões de benefícios aos seus clientes. Inclusive, durante a pandemia de Covid-19, esteve ao lado de seus segurados, pagando mais de R$ 300 milhões aos clientes pela doença, apesar da cláusula que excluía pandemias e epidemias dos contratos de seguros de vida.

A companhia trabalha rigorosamente pautada pelos normativos da Superintendência de Seguros Privados (Susep) no que tange à regulação de sinistros e por diretrizes nacionais e internacionais, visando coibir e identificar ocasionais práticas de lavagem de dinheiro e crimes financeiros no mercado de seguros."




Claudério Augusto via site g1

Convidado para posse de Lula, Maduro pode ser barrado por portaria de Bolsonaro

Nicolás Maduro. Foto: Reuters


Um dos líderes mundiais convidados para prestigiar o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em sua cerimônia de posse, no dia 1º de janeiro de 2023 em Brasília, pode ser barrado ao tentar entrar no Brasil. Isso porque o petista quer convidar Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, mas a Portaria Interministerial Número 7, assinada pelo governo Jair Bolsonaro (PL) - com os então ministros Sergio Moro (Justiça) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) -, veta mais de 100 nomes venezuelanos em território brasileiros, entre eles o de Maduro.

De acordo com informações do jornal O Globo, a portaria impõe as regras para impedir o ingresso de altos funcionários do regime venezuelano, que, por seus atos, contrariam princípios e objetivos da Constituição Federal. Segundo a portaria, atentam contra a democracia, a dignidade da pessoa humana e a prevalência dos direitos humanos.

Ainda assim, o governo de transição de Lula irá convidar Maduro para a posse. Do outro lado, fontes próximas a Bolsonaro dizem que o governo não deve ceder. "A lista tem seus fundamentos e, para o atual governo, esses fundamentos não mudaram", afirmam. O assunto pode, então, gerar algum mal-estar durante o período de transição.

Apesar disso, a lista já foi driblada. Ainda segundo O Globo, a vice-presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, María Iris Varela Rangel, visitou o Brasil em maio deste ano. Na ocasião, ela chegou a se encontrar com petistas e políticos do PSOL.

Procurado na época, o Itamaraty disse à coluna de Malu Gaspar que a visita era contra "a orientação da política externa brasileira de não manter contatos com o regime ilegítimo de Nicolás Maduro". No entanto, afirmou que o órgão "não é responsável pelo controle do ingresso de estrangeiros no território brasileiro".




Claudério Augusto via site Terra

Atuou em filme vencedor de Oscar: Ator de ‘Green Book’ é encontrado morto em rua de Nova York

Foto: Instagram/Tony Lip's Italian Restaurant / Pipoca Moderna - Reprodução via site Terra

O ator Frank Vallelonga Jr, de 60 anos, famoso por atuar no filme vencedor do Oscar Green Book, foi encontrado morto em uma rua do Bronx, em Nova York, nos Estados Unidos. A informação é do portal de notícias TMZ. 

A polícia informou ao site que na manhã de segunda-feira, 28, recebeu uma ligação avisando sobre um homem inconsciente na rua e, quando chegou lá, encontrou o corpo, que só foi identificado nesta quinta-feira, 1º. O médico legista ainda determinará a causa oficial da morte. 

De acordo com o TMZ, as autoridades afirmam que um homem foi acusado criminalmente de jogar o cadáver na rua, de dentro do carro de Nick Vallelonga, irmão de Frank. No entanto, o familiar afirmou que o homem não tinha permissão para dirigir o carro. O suspeito também disse à polícia que o ator teve uma overdose. 

Green Book é um filme sobre o pai de Frank. Tony trabalhava como segurança e foi contratado para dirigir e proteger o pianista Don Shirley durante uma turnê no início dos anos 1960 pelo Jim Crow South. No filme, Viggo Mortensen interpreta Tony e Frank interpreta seu outro irmão, Rudy Vallelonga. 

Nick Vallelonga é o co-roteirista e produtor do filme, que ganhou dois prêmios da Academia, de Melhor Roteiro Original e Melhor Filme.


Claudério Augusto via site Terra

Condenado nesta sexta-feira: Australiano é condenado por matar esposa e trocar por aluna em crime de 1982 solucionado após podcast

Chris Dawson, que nega ter matado Lynette, foi condenado a 24 anos de prisão por assassinato. Foto: Reprodução via site Terra



O caso permaneceu sem solução por mais de 40 anos.

Até que, no fim de agosto deste ano, um juiz da Suprema Corte de Nova Gales do Sul, na Austrália, considerou Chris Dawson, de 74 anos, culpado pelo assassinato da esposa, Lynette.

Nesta sexta-feira (02/12), foi anunciada a pena: 24 anos de prisão — com direito a liberdade condicional após 18 anos. O juiz reconheceu que é provável que ele morra atrás das grades.

O advogado de Chris indicou, no entanto, que seu cliente provavelmente vai recorrer da decisão.

Chris, um ex-jogador profissional de rúgbi, morava com ela e os dois filhos do casal na cidade de Sydney.

Eles eram uma família aparentemente normal até que ela desapareceu sem deixar vestígios em janeiro de 1982. À época, Lynette tinha 33 anos.

Chris deixara o rugby no final dos anos 1970 e tinha virado professor de Educação Física em uma escola pública nas praias do norte de Sydney.

E foi justamente durante as aulas que ele se apaixonou por Joanne Curtis, uma das alunas adolescentes, que foi mencionada como JC no julgamento recém-finalizado.

Infidelidade
JC tinha apenas 16 anos quando Chris se apaixonou por ela, de acordo com detalhes revelados tanto no julgamento quanto no podcast investigativo de 2018 que desenterrou o caso, The Teacher's Pet.

Joanne fazia parte de uma família desestruturada, onde a violência e o álcool faziam parte da rotina diária.

Apesar de ter o dobro da idade dela e ser casado, o professor estabeleceu uma relação próxima com a jovem. Chris contratou a adolescente como babá em sua casa e começou um relacionamento secreto com ela.

De acordo com o testemunho de JC durante o julgamento, ambos fizeram sexo às escondidas, quando Lynette estava dormindo ou tomando banho.

Chris Dawson estava obcecado pela adolescente, que ele enxergava como uma "substituta" para a esposa, de acordo com a avaliação do juiz Ian Harrison.

Apenas três dias após o desaparecimento de Lynette, a jovem estudante foi morar definitivamente com os Dawsons.

O desaparecimento
Nos meses que antecederam o desaparecimento da esposa, Chris ficou cada vez mais desesperado à medida que os planos de divórcio fracassaram e JC ameaçava terminar o caso, afirmou o juiz.

"Quando o afeto se transformou em uma relação sexual, Dawson se deparou com a dura realidade de que não poderia continuar casado e ainda manter um relacionamento cada vez mais intenso" com a adolescente, segundo o magistrado.

"A perspectiva de perdê-la causou aflição, frustração e acabou o oprimindo tanto que Dawson decidiu matar a esposa", disse o juiz.

Chris Dawson nega ter matado Lynette e sempre afirmou que ela abandonara a ele e aos dois filhos, possivelmente para se juntar a um grupo religioso.

A polícia não encontrou um único vestígio de Lynette desde seu sumiço nos anos 1980.

Chris afirmou que a esposa ligou para ele dias depois do desaparecimento para dizer que precisava de uma pausa no relacionamento.

Essa primeira ligação, assegurou ele, foi seguida por outras, mas não existe nenhuma prova disso. Por isso, o juiz acredita que essa versão seja mentirosa.

A defesa do marido também alegou que pelo menos cinco pessoas declararam ter visto a mulher desaparecida viva depois de janeiro de 1982.

Isso também não convenceu o juiz, que considerou os episódios como erros de percepção das supostas testemunhas.

Dois anos após o desaparecimento de Lynette, em 1984, Chris Dawson e Joanne Curtis se casaram e tiveram uma filha. O casal se divorciou em 1993.

O podcast
Duas investigações sobre o desaparecimento de Lynette em 2001 e 2003 concluíram que ela foi morta por uma "pessoa conhecida".

Mas os promotores não viram evidências suficientes para apresentar uma queixa, até que o jornalista Hedley Thomas investigou o caso num podcast.

Vencedor do Walkley, o maior prêmio de jornalismo da Austrália, The Teacher's Pet acumulou mais de 60 milhões de downloads e alcançou o primeiro lugar nas paradas australianas. O programa também teve uma ótima audiência em Reino Unido, Canadá e Nova Zelândia.

O podcast — e o impacto que o conteúdo causou na opinião pública — tiveram um papel fundamental na prisão de Chris em 2018 e na acusação de homicídio.

O juiz Harrison criticou a"visão desequilibrada" do caso e decidiu que isso havia afetado as provas fornecidas por algumas testemunhas ouvidas no passado.

A comoção gerada pelo podcast atrasou, inclusive, o início do julgamento.

A defesa até tentou paralisar o caso, argumentando que o impacto do programa privou o réu da oportunidade de um julgamento justo.

Por fim, optou-se por realizar o julgamento com um juiz em vez recorrer a um júri popular, considerando que as pessoas fora do magistrado seriam mais influenciadas pela opinião pública.

O veredicto
Ao anunciar a pena de 24 anos de prisão nesta sexta-feira, o juiz Ian Harrison disse que o crime de Dawson foi uma "brutalidade autoindulgente", que "não foi espontânea nem inevitável".

Ele havia sido condenado no dia 30 de agosto de 2022, após um julgamento de três meses que incluiu evidências e depoimentos de várias testemunhas.

Embora nenhuma das evidências fosse conclusiva por si só, depois de avaliá-las como um todo, o magistrado decidiu que a culpa de Chris Dawson era "convincente".

O juiz rejeitou a versão do réu de que Lynette Dawson deixou a casa de forma voluntária.

Ele avaliou que a vítima "idolatrava os filhos e o marido" e que todos os os bens dela permaneceram na casa da família após o desaparecimento.

"Até as lentes de contato foram encontradas em um recipiente azul", alegou.

Além disso, desde que Lynette desapareceu, nenhum dos amigos e dos familiares teve notícias ou qualquer indicação de que ela pudesse estar viva em qualquer lugar do mundo.

Tomando as provas circunstanciais como um todo, o juiz afirmou que, "sem dúvida", Chris matou sua esposa e se livrou do corpo.

Após o veredicto, o culpado foi algemado e saiu da sala balançando a cabeça, mostrando-se insatisfeito.

A família
Os familiares de Lynette Dawson presentes no tribunal reagiram ao veredicto com lágrimas.

O irmão, Greg Simms, afirmou que a decisão do tribunal apenas confirmou o que eles já sabiam há anos.

"Ela amava a família e nunca os deixou por vontade própria. A confiança, no entanto, foi traída por um homem que ela amava", explicou Simms à imprensa, visivelmente emocionado.

Ele também fez alusão ao corpo nunca encontrado e a Chris Dawson, a quem pediu para "finalmente fazer o que é certo" e "nos permitir trazer Lynette para casa e descansar em paz, oferecendo a dignidade que ela merece".



Claudério Augusto via site Terra, com informações BBC